25 de jun de 2016

EDUCAÇÃO DE ATLETAS, DE DIRIGENTES, DE ÁRBITROS, DE COMENTARISTAS PODE MELHORAR O PADRÃO DE NOSSO FUTEBOL

Grêmio x VitóriaFato Um: Na última quinta feira (23 de junho), jogo Grêmio x Vitória, na Arena do Grêmio, o Vitória saiu vencedor, por 2 x 1. Após o término da partida, Roger, o treinador do Grêmio, dirigiu-se ao juiz, "educadamente", dizendo-lhe que, em um dos gols sofridos pelo Grêmio, um adversário havia tocado a bola com a mão (ou coisa parecida) e que ele - juiz - iria ver depois na TV. Fato Dois: no dia seguinte (24 de junho), no programa Seleção SporTV, o âncora Marcelo Barreto criticou os fatos, a um, de ter sido registrado na súmula que o treinador do grêmio dirigira aquela observação ao árbitro e, a dois, de ter sido aplicada suspensão por um jogo ao treinador do Grêmio, pelo fato registrado. Imediatamente várias manifestações contra o árbitro, um dos integrantes do quadro dizendo que a comunicação está ficando prejudicada, outro dizendo que estão dando muito poder ao árbitro, que ninguém pode se dirigir a ele, e coisas que tais. Apareceu uma voz que me pareceu serena - se me não engano, o Ricardo Rocha - dizendo que o árbitro apenas assinalara o fato no seu relatório do jogo, ação que lhe competia fazer, por força da função. Acrescentou que se havia reparo a fazer à suspensão, caso alguém entendesse que o castigo foi desproporcional, o destinatário era o Tribunal Esportivo que aplicou a suspensão, e não o árbitro. De fato, apenas um dos profissionais de comunicação presentes manifestou-se sobre a obrigação do árbitro de registrar em relatório todos os incidentes havidos. Concordei com esse que falou assim. Os outros todos arremeteram contra o árbitro, alguns de modo veemente, máxime no que diz respeito a "dar muito poder ao árbitro".

Brasil x Irã

Fato Três: no jogo pela Liga Mundial de Voleibol Masculino, entre a seleção brasileira e a seleção do Iran, na mesma quinta feira (Fato UM) 23 de junho, o árbitro marcou ponto contra a seleção brasileira, indicando que a bola tocara no chão, sendo que a repetição indicou que o líbero rebatera a bola com as costas da mão. Bruninho, capitão do time, dirigiu-se ao árbitro, que confirmou a decisão. O comentarista - da mesma emissora de tv - assinalou que seria melhor que Bruninho deixasse a questão, porque poderia ser punido com cartão amarelo, e que isto seria uma desvantagem.
Entendo que os integrantes do Seleção SporTV - exceto Ricardo Rocha, se não me engano - educavam mal o mundo do futebol, quando denunciavam "abuso de poder" do árbitro, porque, de certa forma, aprovava a abordagem "educada" do treinador do Grêmio. O que temos visto e repetido aqui, sobre jogador "louvando" juiz, gritando palavrão, dedo em riste, não pode ser coisa do futebol. Penso: e se, por outro modo, o árbitro daquele jogo se tivesse dirigido ao treinador do Grêmio e observado, "educadamente": "você se equivocou naquela substituição e por isto perdeu o jogo". Teria sido aceitável? Só a experiência poderia responder. A troca de lado obriga a gente a meditar.
Concluo reafirmando o que tenho exposto aqui no cadikim: os males do futebol não estão apenas no Dunga, na CBF, no fato de a maioria dos atletas viver em outras e distantes terras... Acho que está arraigada - e muito - em distanciamento de todos os envolvidos daquilo que deveria representar o respeito de todos por todos. Mesmo que cada fato duvidoso do árbitro fosse levado, depois do jogo, a uma reunião restrita aos intervenientes, como em "tira-teima" ou "desafio", de modo didático, com o objetivo de melhorar as condições dos árbitros, sem descartar melhor entendimento dos dirigentes e atletas, que poderiam até admitir que a visão do árbitro fora obnubilada por um ou dois atletas intermediários (e, neste caso, óbvio, melhorasse os conceitos do árbitro sobre posicionamento em campo).
No frigir dos ovos, será preciso que muita gente abra mão dos conceitos vigentes, para tornar a atividade "futebol" mais educado, mais respeitoso, mais preponderante, afastando-se tudo aquilo que conspira contra esses princípios. Não quero admitir que o volei seja mais educado porque os jogadores são mais educados, que vieram de ambientes sociais melhores... admito que a rigidez de conduta induz disciplina. Já vi um juiz advertir com o amarelo um jogador reclamão; e, logo em seguida, tendo o mesmo atleta jogar a bola ao chão, com força, gesto claro de revolta (não só de inconformismo), o árbitro aplicou-lhe o vermelho, o que valeu um ponto ao adversário. No voleibol, reclamar de árbitro pode até ser pior do que pênalti.
Posso estar sendo chato. Assim mesmo, voltarei amanhã, para discutir um fato, envolvendo arbitragem e comentarista, no jogo Atlético Mineiro x Corinthians.

Imagem Futebol: Esportes e Jogos
http://www.esportesejogos.com/assistir-transmissao-gremio-x-vitoria-ao-vivo-online.html

Imagem Voleibol: TORCEDORES.COM

http://torcedores.com/noticias/2016/06/brasil-x-ira-saiba-como-assistir-ao-jogo-de-volei-ao-vivo-na-tv