15 de jan de 2013

ESQUECERAM DO GOLEIRO, PARA VARIAR...

Já dissemos, aqui, que goleiro não ganha jogo. Salvo Rogério Ceni e alguns outros goleiros goleadores. E que no lugar onde o goleiro joga não nasce grama. Mas há outras - raras - oportunidades de um goleiro ganhar o jogo.
Hoje, pela Copa São Paulo, jogaram Fluminense x Cruzeiro. Empate em 1 x 1, no tempo regulamentar. Decisão por pênaltes, então. Os cinco cobradores do Cruzeiro converteram as cobranças em gols. Dos cinco do Fluminense, só três converteram. Isto porque o goleiro do Cruzeiro, Charles, defendeu uma cobrança de Biro-Biro, a terceira do Flu. A bola não bateu nele, não. Teve de fazer um movimento com o braço esquerdo, porque seu corpo já havia passado da trajetória da bola. Defendeu por ação. Como o Flu marcou o terceiro gol, na quarta cobrança, o quinto do Cruzeiro liquidaria a fatura. Como liquidou, 4 x 3, sem que o Flu pudesse cobrar o quinto pênalte.
Quando Hugo Sanches converteu a quinta cobrança para o Cruzeiro, o narrador esgüelou: "Hugo Sanches garante a vaga do Cruzeiro!"
Que Hugo Sanches que nada! Foi Charles, o goleiro, quem garantiu a vaga. Se não tivesse defendido a terceira cobrança, a série poderia terminar empatada. E ninguém nem nada poderia garantir que o Cruzeiro teria saído vencedor.
O narrador perdeu a oportunidade de fazer justiça e de ser diferente. Preferiu esquecer a defesa de Charles, que foi importante, de verdade, para o resultado.

Foto: Cruzeiro Esporte Clube.
http://www.cruzeiro.com.br/index.php?section=conteudo&id=1899